A tumba de Jesus!

O escritor Erich Von Däniken após muitas dificuldades foi o único a ter acesso a esta misteriosa tumba, que se encontra muito bem guardada e fora do alcance do público em Cachemira, Índia, no subsolo de uma mesquita chamada Rauzabal Khanyar. Nesta foto de sua autoria, vemos o bem protegido local onde as suas antigas inscrições dizem: "Aqui jaz o célebre profeta Yuz-Asaf, chamado Yusu, profeta dos filhos de Israel" ! A razão de tal segredo é que cautelosamente as autoridades locais preferem guardar o assunto sob o mais absoluto sigilo, "de modo a não ofender os sentimentos cristãos, muçulmanos e hindus" e principalmente não causar celeumas e traumas nas suas próprias História e religião, do contrário reconhecendo aquilo que muitos documentos tradicionais dizem (inclusive um deles em poder da própria Índia e com mais de 2 mil anos de existência) atestando que Jesus Cristo de fato NÃO TERIA MORRIDO NA CRUZ, vivera muito tempo depois disso, e prosseguira percorrendo o mundo, disseminando a sua doutrina. E mais tarde, já bastante idoso, voltara à Índia e ali tendo encerrados os seus dias de vida na Terra, teria sido sepultado!!! E tal hipótese toma ainda mais consistência quando no Monte Trono de Salomão, situado nas proximidades, estão gravadas as seguintes inscrições datadas do ano 54 D.C. (ou seja, 21 anos após a sua tradicional "morte"): "Neste templo pregava o profeta Yusu, ele é Jesus profeta dos filhos de Israel"!
Porém, tem algo muito mais surpreendente ainda: um antigo livro em sânscrito, aliás disponível na Biblioteca da Cachemira, denominado Bhavisya Maha Purana, relata o encontro do soberano Raya Shalevain – NO ANO 78 D.C. – com um certo personagem bastante revelador. Ouçamos, porém, um trecho daquilo que relata aquele antiqüíssimo documento: "Durante sua regência o rei mandou que o carregassem pelos refrescantes morros de Kashemir. Foi quando descobriu, sentado na grama e vestido de linho branco, uma pessoa feliz, rodeada de vários ouvintes. Shalevain dirigiu-se ao estranho e perguntou-lhe quem era. O homem da túnica branca respondeu com sua voz tranqüila e doce: – Nasci de uma donzela. Sou pregador da religião de Mlachha (PALESTINA), dos princípios verdadeiros, ensinando a verdade contra a destruição das tradições. Quando lá apareci me chamaram de Masih (MESSIAS). Eles não gostaram dos meus ensinamentos, rejeitaram as tradições e condenaram-me. Prego a religião que se chama amor, verdade e pureza de coração. Por isso me chamam de Masih".

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: